• AD Valorem

    Taxa de seguro cobrada sobre certas tarifas de frete ou alfandegárias proporcionais ao valor total dos produtos da operação (nota fiscal da carga).

  • ADR

    Articles Dangereux de Route ou Transporte de Artigos Perigosos.

  • Break-even point

    É o ponto de equilíbrio ou nível de produção ou nível de volume de vendas a partir do qual o empreendimento ou negócio se torna rentável. Qualquer valor abaixo do ponto de equilíbrio significa prejuízo.

  • BTB ou B2B

    Business-to-Business ou comércio eletrônico entre empresas.

  • BTC ou B2C

    Business-to-Consumer ou comércio eletrônico de empresas para o consumidor

  • Frete peso

    O frete peso costuma ser definido por meio da relação entre o peso bruto e o peso cubado (dimensões da embalagem) do produto, sendo o maior deles usado no cálculo

  • Taxa mínima

    A taxa mínima, também chamada de frete mínimo, é uma cobrança criada para que as transportadoras cubram os custos de levar cargas com um peso inferior ao ideal. Sendo assim, estabelece-se um peso mínimo, e o valor do frete é cobrado a partir desse parâmetro.

  • Devolução de mercadorias

    Nesse caso, a devolução ocorre quando o cliente rejeita o recebimento da mercadoria, fazendo com que seja necessário retornar com a carga à sua origem, gerando novos custos de transporte. A taxa é calculada com base na cobrança de um novo frete — com o mesmo valor do anterior — mais o total do ICMS gerado na operação.

  • Taxa de agendamento de entregas

    Existem clientes que preferem trabalhar com o agendamento de entregas, o que facilita a programação de envios e recebimentos. Contudo, para a transportadora, isso gera um custo adicional na operação, que envolve acompanhamento diferenciado, separação e consolidação especial das cargas, equipe dedicada, utilização extra de veículos, entre outros aspectos. Essa taxa é cobrada por meio de um percentual sobre o valor do frete original.

  • Taxa de coletas e entregas fora de dias e horários normais de operação

    Normalmente o serviço de entregas e coletas pelas transportadoras é realizado em dias úteis durante o horário comercial. No entanto, existem situações em que os clientes precisam desse serviço fora do período habitual, o que desencadeia a necessidade de criar um regime de horas extras, o aumento dos custos administrativos, a ociosidade dos veículos, entre outros custos operacionais e administrativos. Quando isso ocorre, a cobrança é feita com base em um percentual do frete original, mas também podem haver outras despesas adicionais que serão acrescentadas ao valor final. Como podemos ver, existe uma diversidade muito grande de taxas de transporte que pode ser cobradas e que formam o valor total de um serviço de frete. Conhecer todas elas e saber quais a transportadora cobra é fundamental para conseguir fazer um planejamento de custos adequado e organizar melhor as operações.

  • Reentrega

    Sempre que, por responsabilidade do embarcador ou do cliente final, a entrega não for finalizada na primeira tentativa, o transportador cobrará uma taxa de reentrega a cada nova tentativa realizada. O valor é baseado nos custos gerados pela distância percorrida entre o destino e a origem (ou um terminal da transportadora). Normalmente é cobrada uma taxa de 50% do valor do frete original para o serviço.

  • O que é cubagem?

    O termo cubagem está relacionado à noção de um cubo que, de acordo com as leis da física, tem seu volume determinado pela seguinte fórmula:

    Volume = Comprimento x Altura x Largura.

    Então, de modo geral, a cubagem é estabelecida justamente pela solução dessa fórmula, que indica o volume que uma carga ocupará em um caminhão. Acompanhe o exemplo:

    •uma caixa tem 2 metros de altura, 1 m de largura e 1,5 m de comprimento;
    •seguindo a fórmula, temos: 2,00 m x 1,00 m x 1,50 m = 3 m3;

  • Taxa de Dificuldade na Entrega – TDE

    Destina-se a ressarcir o transportador pelos custos adicionais sempre que a entrega for dificultada por um ou mais dos seguintes fatores:
    1) Recusa da mão-de-obra da transportadora;
    2) Recebimento por ordem de chegada, independentemente da quantidade;
    3) Recebimento precário, que gere longas filas e tempo excessivo na descarga;
    4) Exigência de separação de itens no recebimento;
    5) Exigência de tripulação superior à do veículo para carga e descarga;
    6) Disposições contratuais que agravem o custo operacional.

    A aplicação da TDE não deve excluir a cobrança da estadia, pois suas finalidades são diferentes

  • Taxa de Restrição ao Trânsito - TRT

    Destina-se a ressarcir o transportador pelos custos adicionais sempre que a coleta e/ou entrega for realizad em municípios que possuam algum tipo de restrição à circulação de veículos de transporte de carga e/ou à própria atividade de carga e descarga. Incluem-se nesta generalidade as restrições impostas, por exemplo, nas cidade de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Belo Horizonte e outras que vierem adotar medidas semelhantes.

  • TFD (Taxa de Fiel Depositário)

    Sempre que houver algum tipo de entrave fiscal gerado pela apreensão da mercadoria pela Secretaria da Fazenda, e o transportador for denominado como fiel depositário da carga, haverá cobrança diaria.

  • Taxa de permanência de carga

    A taxa de permanência de carga é calculada com base no espaço ocupado pelos pedidos no armazenamento em áreas destinadas às atividades de transporte (como o cross docking). Ela é cobrada de acordo com o valor, peso e período em que os produtos permanecem com a transportadora.

    O objetivo é ressarcir a empresa contratada dos custos relacionados à locação dos espaços, serviços de vigilância, despesas com seguro, imposto predial, entre outros.

    Essa taxa é de 0,71% do CT-e por dia.

  • Taxa de administração da SEFAZ

    Criada com a finalidade de ressarcir os custos que as transportadoras arcam com a ocorrência de entraves fiscais e outras burocracias — como a retenção em postos, a cobrança dessa taxa é feita por meio de um valor fixo para cada CT-e emitido.

    Essa taxa é de 0,28% do CT-e ao dia.

  • Taxa de fiel depositário (TFD)

    Ela é cobrada quando as cargas de determinado cliente ficam retidas pela fiscalização no posto da SEFAZ até que o embarcador solucione as pendências.

    Nessa situação, a transportadora pode se tornar o fiel depositário, arcando com a responsabilidade de prosseguir com o transporte (evitando atrasos) e só se comprometendo a entregar as mercadorias quando os entraves forem resolvidos.

    A cobrança se inicia no primeiro dia corrido a contar da data de envio ao cliente e é feita com base no percentual do valor dos produtos (ao dia), mais o frete valor e o GRIS.

    Caso a transportadora descumpra o acordo, ela fica sujeita à penalizações.

    Essa taxa será de 0,35% do CT-e ao dia.

  • Milk Run

    Consiste na busca do(s) produto(s) diretamente junto ao(s) fornecedor(es), de forma programada, para atender sua necessidade de abastecimento.

  • Logística reversa ou Inversa

    No mercado é considerada como o caminho que as embalagens tomam após a entrega dos materiais, no sentido da reciclagem das mesmas. Nunca voltando para a origem.

  • Transbordo

    Passar mercadorias/produtos de um para outro veículo de transporte.

  • Gerenciamento de risco e segurança (GRIS)

    Essa taxa é cobrada por meio de um percentual sobre o valor da Nota Fiscal e independe da distância que será percorrida

  • CPC

    Commerce Planning Colaboration.

  • CPFR

    Collaborative Planning, Forecasting and Replenishment ou Planejamento Colaborativo de Previsão e Reabastecimento.

  • CPM

    Critical Path Method ou Método do Caminho Crítico.

  • CPT

    Carriage Paid To ou Transporte Pago Até. Significa que o vendedor entrega as mercadorias ao transportador designado por ele, mas o vendedor deve, além disto, pagar o custo do transporte necessário para levar as mercadorias para o destino nomeado. Este termo pode ser usado sem restrição do modo de transporte, incluindo o transporte multimodal.

  • CRM

    Customer Relationship Management ou Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente ou Marketing One to One.

  • Cronograma

    É estabelecer sequencialmente as tarefas/trabalhos a serem executados, de acordo com datas estipuladas para cada tarefa/trabalho desta sequência.

  • Cross Docking

    É uma operação de rápida movimentação de produtos acabados para expedição, entre fornecedores e clientes. Chegou e já sai (transbordo sem estocagem).

  • CRP

    Continuous Replenishment Process ou Programa de Reabastecimento Contínuo.

  • CTD

    Combined Transport Document ou Documento de Transporte Combinado.

  • CTI

    Computer Telephony Integrated ou Sistema Integrado de Telefonia e Computação.

  • FOB

    Free On Board ou Preço sem Frete Incluso (posto a bordo). Denominação da cláusula de contrato segundo a qual o frete não está incluído no custo da mercadoria. Tem algumas variações de FOB. Pode ser FOB Fábrica, quando o material tem que ser retirado e FOB Cidade, quando o fornecedor coloca o material em uma transportadora escolhida pelo cliente.

  • Kaizen

    Palavra japonesa que significa processo de melhorias contínuas, com bom senso e baixos investimentos.

  • Kanban

    Técnica japonesa com cartões, que proporciona uma redução de estoque, otimização do fluxo de produção, redução das perdas e aumento da flexibilidade.

  • KLT

    Klein Lagerung und Transport ou Acondicionamento e Transporte de Pequenos Componentes.

  • KPI

    Key Performance Indicator ou Indicador-chave de Desempenho.

  • Lead Time

    Tempo compreendido entre a primeira atividade até a última de um processo de várias atividades.

  • Lean Manufacturing

    Produção Enxuta ou manufatura enxuta.

  • Lean Seis Sigma

    Estratégia empresarial que gerencia de forma quantitativa, com objetivos de aumentar consideravelmente a qualidade do(s) produto(s), processos e pessoas, fazendo assim com que aumente a satisfação dos clientes e fornecedores. Isto consequentemente dará resultado na performance e lucratividade da empresa.

  • Leilão Reverso on-line

    Consiste em marcar com os fornecedores, um horário em determinado endereço na Internet, para que os mesmos façam lances para fornecerem produtos previamente informados pelo requisitante. Quem tiver as melhores condições comerciais ganhará o pedido.

  • Leitura Omnidirecional

    Tecnologia que possibilita a leitura do código de barras em qualquer posição, mesmo os de difícil leitura.

  • Limpa-trilhos ou Saca-boi ou Grelha

    Peça que fica à frente e na parte inferior das locomotivas para retirar da via os animais colhidos por elas e evitar descarrilamento.

  • Liner Terms

    Termo no contrato de transporte marítimo, onde no frete já está incluso todas as despesas de carregamento, estiva e descarga, ficando assim na responsabilidade do armador.

  • LLP

    Leading Logistics Provider ou Principal Fornecedor de Serviços Logísticos.

  • Localização

    Palavra utilizada em Administração de Materiais, que significa o local exato em que o material está estocado. É composto normalmente por código alfa- numérico, que indica a sigla do depósito / galpão, corredor, coluna da estante e número da prateleira.

  • Localização logística

    É a forma de identificar geograficamente armazéns, depósitos, filiais, veículos, clientes, etc. As formas mais comuns são por coordenadas de latitude-longitude, códigos postais (CEP no Brasil) e coordenadas lineares simples ou malha, que nada mais são do que se colocar um papel vegetal quadriculado sobreposto a um mapa, com numeração das linhas horizontais e verticais.

  • OTIF

    On Time In Full. Pedido perfeito atendendo todas as condições acordadas, como datas, valor, quantidade, etc.

  • OTM

    Operador de Transporte Multimodal.

  • Outbound

    Fluxos da fábrica para o concessionário.

  • Outsourcing

    Provedores de serviços ou terceirização. Tendência de comprar fora (de terceiros) tudo o que não fizer parte do negócio principal de uma empresa.

  • Owner

    Armador

  • Padronização

    Compreende o ato que visa tornar comum um determinado modelo, parâmetro ou norma.

  • Pantógrafo

    Dispositivo de locomotiva elétrica, que fica em contato com a rede aérea e transmite a corrente aos motores da máquina.

  • Parcerização

    Processo de conhecimento mútuo e aceitação, pelo qual duas empresas devem passar para estarem realmente integradas, visando mesmos objetivos.

  • Patola

    Braços que estabilizam o caminhão no chão, quando vai ser utilizado o sistema de elevação do guindaste acoplado à carroceria, para que agüente o peso, sem pender para nenhum dos lados (virar o caminhão). Também é utilizado em caminhões que possuem escada magirus ou algum tipo de acessório pesado de elevação.

  • Payload

    Capacidade útil de carga num determinado veículo de transporte de qualquer um dos modais.

  • PBTC

    Peso Bruto Total Combinado. Utilizado no transporte rodoviário, trata-se do peso total do caminhão considerando todas as carretas, semi-reboques ou reboques nele atrelados.

  • PCM

    Planejamento e Controle de Materiais.

  • PCP

    Planejamento e Controle da Produção.

  • SCE

    Supply Chain Execution ou Execução da Cadeia de Abastecimento.

  • SCM

    Supply Chain Management ou Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento.

  • SCOR

    Supply Chain Operation Model ou Modelo de Referência das Operações na Cadeia de Abastecimento. Foi crido pelo Supply Chain Council (USA) visando padronizar a descrição dos processos na cadeia de abastecimento.

  • SCP

    Supply Chain Planning ou Planejamento da Cadeia de Abastecimento.

  • SCTCR

    Supply Chain Technologies Cost Reduction ou Metodologia de Redução de Custos de Tecnologia da Cadeia de Abastecimento.

  • Sealing

    O ato ou processo de se fixar um lacre numa embalagem, mantendo a carga isolada até o seu destino. O lacre pode ser numa caixa, container, etc.